Dicas para aprender mais

Aprender outro idioma pode ser algo muito difícil para algumas pessoas. Se você pensar bem, aprender qualquer idioma é difícil, basta analisar quantos anos você leva para saber se comunicar na sua língua nativa.

Além do tempo normal de aprendizado, outra questão deve ser levada em consideração: nossas limitações!

À medida que envelhecemos, perdemos aos poucos, parte da capacidade de assimilação de conteúdo, principalmente se não mantemos o hábito de aprender novas informações constantemente. Quando atingimos aproximadamente os 10 a 13 anos de idade, perdemos uma parte considerável dessa capacidade de aprendizado, que é chamada pelos linguistas de faculdades da linguagem. A faculdade da linguagem nada mais é que uma área do nosso cérebro que é responsável pelo aprendizado de novas línguas. Você já reparou como uma criança que estuda outro idioma tem mais facilidade que um jovem de 15 anos, ou mais, que um adulto? Isto ocorre porque na idade citada anteriormente (entre 10 e 13 anos) o ser humano tem essa facilidade (de aprender um idioma perdida). Além disso, há outro agravante: o cérebro em inatividade.

Trabalhar o cérebro

Você já ouviu algum preparador físico afirmar que os músculos precisam ser trabalhados para não ficarem atrofiados? Isto também ocorre com o cérebro! Para quem não sabe, o cérebro é um músculo e deixar de exercitá-lo, faz com que fiquemos cada vez mais preguiçosos e ele fique cada vez menos apto a aprender novas informações e sinta mais dificuldade.

Qual a solução?

A solução é trabalhar o cérebro! Cultive o hábito de ler novas informações. Mas atenção! Absorver novas informações é um processo que deve vir acompanhado de desafios. O ato de ler exercita o cérebro, mas há maneiras melhores de exercitá-lo, como por exemplo, resolver problemas de lógica, matemática ou mesmo responder a questões sobre os conteúdos que leu. Se você ler algum livro de literatura, procure na internet questões sobre o livro e tente responde-las. Os desafios nos deixam estimulados e ajudam o cérebro a não ficar parado!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inline
Inline